Header Ads Widget

6 grandes segredos sobre o sistema solar

O espaço e o nosso pequeno sistema solar, é uma gigante caixa de mistérios acima das nossas cabeças, quanto mais agente aprende sobre o universo e suas formas, mais vontade agente tem de saber. Então afim de desmistificar alguns dos segredos desta infinidade cósmica, o site Listverse elaborou uma lista com os maiores mistérios sobre o sistema solar. Mergulhe e aprenda!

1. Dunas de gelo em Plutão

A superfície é Plutão é um lugar muito estranho e misterioso. Os astrônomos costumavam acreditar que o planeta anão não possuía condições para tais fenômenos inclusive o gelo.

Após diversas análises na atmosfera do planeta, os cientistas notaram que ela estava longe de ser espessa o suficiente para que as características peculiares se formassem. No entanto, imagens recentes da missão New Horizons da NASA provaram o contrário. As fotografias revelam que Plutão está repleto de curiosidades geográficas fascinantes.

Dunas de metano congelado se espalham pelas planícies do Sputnik Planitia. Uma vasta cadeia de montanhas de gelo de água se estende ao lado deles, cada uma se projetando cerca de 5 km (3 mi) de altura. Os montes são formados por minúsculos cristais de metano - mais ou menos do mesmo tamanho que um grão de areia - que foram levantados pelos ventos glaciais das montanhas próximas.

Além disso, acredita-se que as dunas também contenham cristais de nitrogênio congelados. Plutão é a mais recente adição a uma lista crescente de corpos celestes nos quais os astrônomos avistaram dunas, que inclui Vênus, Titã e o cometa 67P.

2. Um estranho zumbido em Marte

Quando a NASA lançou sua sonda InSight para estudar Marte em 2018, ninguém esperava que ela encontrasse o planeta zumbindo. Mas foi exatamente isso que a espaçonave detectou. De acordo com as leituras do InSight, o Planeta Vermelho está emitindo um zumbido interminável pontuado por terremotos. E ninguém consegue descobrir por quê.

A nave é equipada com um sismômetro de alta precisão e uma variedade de detectores. Os pesquisadores dizem que os dados do InSight já revelaram uma enorme quantidade de informações sobre a estrutura e o campo magnético do planeta. Desde que pousou, o módulo de pouso registrou mais de 450 casos de atividade sísmica - ou, como alguns especialistas os chamam, 'marsquakes'. Ao contrário da Terra, Marte não tem placas tectônicas, o que significa que os cientistas ainda estão tentando descobrir exatamente como os terremotos são causados.

Mas a mais surpreendente das descobertas do InSight é o misterioso zumbido marciano. O sinal sísmico vibra em 2,4 Hz e parece ficar mais alto quando o planeta treme. Os pesquisadores não têm certeza sobre as origens da pulsação inesperada, embora tenham excluído o vento.

3. Uma massa estranha sob a superfície lunar

Abaixo da maior cratera do sistema solar está um pedaço gigante de metal e ninguém tem certeza do que está fazendo lá. A elusiva massa é considerada cerca de cinco vezes o tamanho da Ilha do Havaí, situada sob a bacia do Pólo Sul-Aitken, no outro lado da lua.

A cratera tem um formato aproximadamente oval, com mais de 1.200 milhas de largura e muitas milhas de profundidade. Os astrônomos acham que foi criado há quatro bilhões de anos. Mas a própria massa está a centenas de quilômetros de profundidade. Os cientistas descobriram a anomalia do metal durante um estudo da superfície da lua e do campo gravitacional.

Os cientistas estão ansiosos para descobrir as origens desse intrigante caroço subterrâneo. Uma teoria afirma que pode ter vindo do asteróide que explodiu a cratera na superfície da lua. O núcleo de um meteorito é geralmente feito de liga de ferro-níquel. Simulações de computador mostraram que esse núcleo metálico pode ter se alojado no manto lunar. Outra sugestão é que a massa esteja relacionada a oceanos de magma líquido se resfriando e se solidificando.

4. Ferrugem na Lua

Como você certamente sabe, o ferro começa a enferrujar após longos períodos em torno do oxigênio e da água. Então você pode imaginar a surpresa quando os astrônomos descobriram ferrugem na lua. Usando dados da missão Chandrayaan-1 da Índia, o pesquisador havaiano Shuai Li mostrou sinais claros de óxido de ferro ou, como é mais conhecido, ferrugem na superfície lunar.

No início, os cientistas ficaram perplexos com as descobertas de Li. Como a ferrugem se forma em um lugar sem oxigênio? Além disso, os ventos solares sujeitam a lua a um ataque violento de átomos de hidrogênio. O hidrogênio é conhecido por doar seus elétrons, tornando ainda mais difícil a oxidação do ferro. A ferrugem na lua deveria ser impossível, mas as evidências eram incontestáveis.

Então veio a descoberta. Os astrônomos descobriram que a resposta está na forma do campo magnético da Terra. A Terra também é constantemente açoitada pelos ventos solares, que esmagam e distorcem o campo magnético do planeta. Isso faz com que a parte do campo mais distante do sol se estique para trás, como uma cauda. Este magnetotail se estende 240.000 milhas (385.000 quilômetros) no espaço.

Durante sua órbita da Terra, a lua mergulha brevemente dentro da cauda magnética. Nesse ponto, a Terra protege a lua de seu bombardeio usual de hidrogênio. O campo magnético também deposita pequenas quantidades de oxigênio na superfície da lua. Por um momento, as condições são adequadas para a formação de ferrugem.

5. Ê»Oumuamua’ – o visitante desconhecido

Em 2017, uma estrutura em forma de charuto gigante se tornou o primeiro objeto interestelar conhecido a visitar o nosso sistema solar. O estranho visitante deixou os cientistas coçando a cabeça enquanto ele girava em torno do Sol a 196.000 milhas por hora.

Os astrônomos sabem que Ê»Oumuamua - cujo nome significa “um mensageiro de longe chegando primeiro”, veio de algum lugar desconhecido no espaço. Segundo os cálculos, Oumuamua mede cerca de 800 metros de comprimento e um décimo disso em largura. Eles preveem que o viajante cósmico “rolou” pela órbita do Sol por um tempo antes de sumir novamente.

Fora isso, pouco se sabe sobre o evasivo objeto errante. De acordo com a NASA, os cientistas não têm ideia real de como o ʻOumuamua se parece, de que é feito ou de onde veio. Atualmente, há uma série de telescópios ao redor do mundo e no espaço rastreando o misterioso visitante.

6. Europa, a lua gelada de Júpiter, pode brilhar no escuro

Um novo estudo sugere que uma das luas de Júpiter pode brilhar no escuro. Os pesquisadores avaliam que Europa poderia emitir um brilho esverdeado causado pela intensa radiação do campo magnético de Júpiter.

Europa é conhecida por ser revestida por uma espessa camada de gelo. A lua congelada enfrenta uma barragem interminável de elétrons. Quando as partículas carregadas atingem a superfície gelada de Europa, elas transferem parte de sua energia para as moléculas no gelo. As moléculas energizadas então liberam essa energia como luz, que os cientistas dizem que pode dar à lua um brilho assustador.

Fonte: Listverse

Comentar

Comentar...

Postagem Anterior Próxima Postagem